Mastopexia Periareolar Cicatriz

 

 

O desejo de ter mamas Lindas sem flacidez e bem definidas pode se tornar realidade através da mastopexia. Esta metódo consiste em retirar o excesso de pele dos seios, divulgando uma fisionomia  simetrizar e natural. Mas afinal, este procedimento deixa cicatriz? Como ficará a estética da sua cicatriz após a mastopexia? Estas e outras incertezas serão exemplificadas aqui para você, pois é possível com alguns cuidados ficar com os seios lindos e intenso e ainda com uma cicatriz de boa qualidade.

 

Tipos de cicatriz da mastopexia

 

O tipo de cicatriz resultante da mastopexia irá dependendo da metódo utilizada no seu procedimento. Vamos conhecer as 3 possibilidades de cicatriz da mastopexia:

Periareolar (ao redor da aréola): a técnica periareolar, envolve uma incisão na aréola. Essa técnica é o procedimento menos invasivo que aproxima a um pequeno grau de expansão Por esse mais importante é indicada para pessoas com mamas pequenas ou que necessitam retirar pouca a quantia de pele.

Vertical: a metódo vertical envolve uma incisão em forma de V que se estende no contorno superior da aréola e abaixo da linha média da mama. Embora seja levemente mais invasivo, este procedimento chega a um grau mais alto de a rampa do que a periareolar separada Por esse motivo, sobre este tipo de incisão é indicado para pessoas com flacidez de pele leve a moderada.

Formato “T” invertido: a técnica em “T” invertdido envolve uma incisão que se abrange no contorno superior da aréola e lateralmente na porção inferior da mama. Embora seja o tipo que resulta em cicatrizes maiores da mastopexia, essa metódo chega a um maior grau de expansão Por esse mais importante é indicada para pessoas com mamas que apresentam ptose mamária acentuada.

 

Fases da cicatriz

 

É importante mostrar que as cicatrizes terminam, por uma evolução natural até atingir sua completa maturar Destacamos algumas fases fundamentais desse processo:

Período imediato: normalmente, vai até o trigésimo dia após a mastopexia. A cicatriz normalmente é fina, mas ao bater é endurecida  e ainda abordada pela cor vermelha ou marrom. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo. Para uma melhor recuperação nessa fase é importante o sossego relativo dos braços ( não elevá-los acima dos ombros, não carregar peso ou realizar atividades físicas físicos)

Período intermediário: normalmente vai do trigésimo até 6 meses. A cicatriz começa a ficar mais macia, bem como se inicia a mudança de cor, passando do mais mal iluminado (que pode ser vermelho ou marrom) ao mais claro. Como não é possível avançar o processo natural da cicatrização, é recomendando que as pacientes não se preocupem, pois o passar do tempo se encarregará de fazer com que a cicatriz fique o mais sutil possível. Para que isso ocorrer nessa fase é importante evitar a exposição ao sol.

Cuidados pós-operatórios: os cuidados mais corretas. no período pós-operatório reduzem as chances de Infecções  e abertura dos pontos.

Período tardio: este se completa, normalmente com 1 ano da cirurgia. Esta é a fase de solução final do processo. A cicatriz se tornar o mais clara e macia possível, de acordo com a sua genética e adequada reconquista pós-operatória, diminuindo suas anormalidades Qualquer avaliação de como ficará o resultado final da cicatriz, deve ser feito nesta época.

 

Cuidados no processo de cicatrização

 

No processo pós-operatório, é comum algumas alterações acontecem em obediência do organismo à cirurgia e não são consideradas complicações. Um exemplo são, os edemas (inchaço) e equimoses (coloração arroxeada na região) que podem ocasionar em graus variantes e não devem ser mais importante de preocupação para os pacientes.

A preocupação deve se concentrar nos cuidados com o pós-operatório e em caso de qualquer incomodo. que considerar incomum é muito importante você procurar o seu cirurgião plástico.

Não trocar ou manipulação de os curativos, mesmo que haja um pequeno sangramento (normal acontecer). As trocas do curativa deve ser utilizado pela equipe cirúrgica;

Tente evitar realizar esforço físico, locais quentes e exposição direta ao sol;

Evite movimentos bruscos e abrangentes com os braços, conservando os cotovelos junto ao tronco;

Conforme orientação médica, não dirigir e não filtrar as peso por um período de aproximadamente de 3 semanas, podendo este prazo se estender;

Não deitar de hemisfério ou de bruços até que seu médico cirurgião autorize;

Movimentar-se com continuidade os colaboradores inferiores no período de descanço para programar a circulação e evitar trombose;

Usar o sutiã indicado pelo médico durante todo dia, inclusive na hora de dormir, tirando apenas para tomar banho, comumente por 30 dias. Conforme individualidade de cada caso, este período pode ser estendido.

 

Qualidade da cicatriz

 

Genética: as condições molecular e tipos de pele podem interferir na qualidade da cicatriz. O queloide, por exemplo, é uma cicatriz de característica grossa, em alto relevo, normalmente, avermelhada, tem prevalência em negros e do oriente o que mostra nítida influência genética.

Nutrição: diversos elementos, nutricionais interferem na boa cicatrização. Podemos citar as vitaminas A, B, C, cobre, zinco, ferro, ácido fólico. A anemia, a hipoalbuminemia, assim com a falta de vitaminas podem prejudicar  a boa cicatrização.

o embate teológico eclesiástico na cicatriz: a cicatrização é um processo complexo e duradouro e segue etapas cronológicas independente da vontade e anseio do paciente. Para ter uma boa cicatriz de mastopexia é importante não se submeter à tração no local, portanto é necessário evitar esforço físico.

Procure seu cirurgião plástico em se por algum motivo de qualquer desconforto ou incertezas no pós-operatório, pois sua saúde e bem estar devem vir em primeiro lugar.

Mamoplastia redutora ou na mastopexia,Acesse aqui na Dra. Adriana  Lembi